A economia é o motor da sociedade

domingo, 9 de janeiro de 2011

Economist: Portugal entre os países que mais contraem(desce) em 2011

'The Economist' espera uma recessão de mais de 1% em Portugal este ano.

A publicação 'The Economist' divulgou uma lista com as previsões de crescimento para 2011. Portugal será o terceiro país que mais contrai.

Os países emergentes dominam o topo da lista, publicada no 'site' da revista britânica, com o Qatar, o Gana e a Mongólia a crescer mais de 10% e a empurrar a China para o sexto lugar na lista dos países que mais deverão crescer, em termos de Produto Interno Bruto, em 2011. O PIB do gigante asiático deverá expandir-se em 8,9% este ano.

Seguem-se a Eritreia e a Mongólia, antes da Índia, que deverá registar um crescimento de 8,6%. Depois, por ordem decrescente, figuram nas previsões da publicação inglesa o Uzbequistão, Timor-Leste e o Laos.

A grande ausência na lista dos dez países que mais crescerão em 2011 é a do Brasil, que no ano passado registou um crescimento de cerca de 7%, até ao início do mês de Dezembro.

Em sentido contrário, e do lado dos que menos deverão crescer, Porto Rico, Grécia e Portugal ocupam os três últimos lugares do pódio, com a Economist Intellingence Unit a calcular uma recessão de mais de 1% para o país chefiado por José Sócrates. Dos dez países que menos deverão expandir-se em 2011, Espanha é o que aparece, ainda assim, mais bem 'cotado', com um crescimento previsto em torno de 1%.
O estudo chama ainda a atenção para o facto de os chamados PIIGS - Portugal, Irlanda, Itália, Grécia e Espanha - estarem a ser fortemente castigados no mercado de dívida.

No 'top 5' dos países mais arriscados do mundo, Portugal, Grécia e Irlanda fazem companhia à Venezuela e à Argentina, segundo o monitor da Bloomberg para os ‘credit-deafult swaps' (CDS), que são uma espécie de seguro no caso de uma empresa ou Estado entrar em incumprimento, ou seja, não cumprir as obrigações para com os seus credores.

http://economico.sapo.pt/noticias/economist-coloca-portugal-entre-os-paises-que-menos-crescem-em-2011_108105.html

João Grilo 10ºD Nº14
ESQM

11 comentários:

Filipe Esteves disse...

Nesta noticia pode-se verificar que os países que deveram crescer é a china que fica no 6º lugar dos países que deveram crescer este ano, tal como Eritreia e a Mongólia e Índia que também são uns dos países que iram crescer mais mais de 6%.Ao contrario dos PIIGS que são os países que iram vão ter uma recessão de mais de 1% esses países são Portugal,Irlanda,Itália,Grécia e Espanha(PIIGS).

henrique disse...

como podemos analisar através desta notícia os países que mais cresceram em 2011 serão os paises emergentes como a mongolia, india, qatar entre outros. Para grande supresa o brasil nao se econtra no top 10. Por outro lado os países que mais descem serão a Itália, Grécia, Portuga, Espanha e Irlanda também conhecidos por PIIGS

Henrique Cardoso nº12

Pedro Tomé disse...

No que diz respeito a crescimentos para 2011, percebemos que o rápido crescimento do Qatar se deve aos elevados preços de petróleo que, irão aumentar de um preço médio de 80 dólares por barril de Brent em 2010 para 90 dólares em 2011, pois o petróleo juntamente com o gás representa mais de 50% do PIB deste país. É normal que em termos de crescimento percentual a China tenha cedido alguns lugares a outros países emergentes, pois basta registarem um crescimento acentuado, para que em termos percentuais se venha a reflectir mais do que em países com grandes economias como a China. Como consta na notícia, Espanha não apresenta sinais de recessão como os restantes “PIIGS”, mas terá de se prevenir pois pode ser afectada pelo simples facto de se encontrar junto de pequeno um país chamado Portugal. Uma das melhores opções que poderíamos tomar, seria a de desenvolver relações com alguns países africanos como Angola e Moçambique, segundo alguns estudos, países do continente africano como o Gana, representaram dentro de poucos anos uma nova vaga de mercados emergentes e assumirão uma especial importância para a economia global.

Pedro Tomé Nº18 10ºD

barbara disse...

Com a leitura desta notícia consegui concluir que Portugal apenas se encontra nesta recessão, por causa da estagnação da economia, ao crescimento nulo do PIB derivado principalmente ao mau governado de Portugal.
O governo gastou demasiado, chegando a gastar para alem das capacidades e das necessidades, após tantos gastos, deixou de haver capacidades monetárias para satisfazer as necessidades do país, da população e do próprio governo. Basicamente este terceiro lugar trás nos demasiados aspectos negativos, aumento dos preços, baixa dos salários e consecutivamente a baixa do poder de compra, não havendo o escoamento dos produtos, baixando assim a produção, havendo muita falência e levando ao aumento do desemprego. Sócrates utilizava antes o dinheiro que tínhamos para construir, agora o dinheiro que foi investido leva nos a falência.

Bárbara Esteves nº5

Carolina Barros disse...

Como podemos ver através desta notícia, fala da publicação da revista britânica 'The Economist'com fim de divulgar uma lista de previsões de crescimento para 2011. Os países que deveram emerger e que dominam o topo da lista são o Qatar, o Gana e a Mongólia que cresceram mais de 10%.
Por outro lado,Portugal, juntamente com a Itália, Irlanda, Grécia e Espanha(PIIGS)vão ser os países que contrairão mais, cerca de 1%.

João Aragão disse...

Esta notícia refere-se às previsões feitas pela revista “The Economist” relativamente ao crescimento das economias em 2011. Neste estudo, Portugal aparece como o terceiro país que mais contrai, sendo ultrapassado apenas por Porto Rico e Grécia, no grupo dos países que menos deverão crescer. Em 2011, Portugal deverá ter uma recessão de mais de 1%. Penso que Portugal vai ter mesmo que recorrer a ajuda externa em 2011, nomeadamente, recorrendo ao fundo de estabilização da União Europeia ou ao Fundo Monetário Internacional. Como já disse, estou de acordo com a intervenção do FMI em Portugal. Espero que o FMI consiga fazer o que o (des) governo português não está a conseguir, quer por incompetência da parte dos governantes, quer pela própria irreversibilidade da situação. À parte de Portugal, é de realçar a descida de posição da China e a ausência do Brasil na lista dos dez países que mais crescerão em 2011. A China desceu para a sexta posição na lista dos países que mais deverão crescer em 2011, perdendo, assim, competitividade, uma vez que o país enfrenta, actualmente, problemas como a inflação e a “bolha” no imobiliário. Pode, desde já, dizer-se que, a partir de 2015, o PIB da China deverá começar a recuar dos actuais 8% para 6% ou menos. O Brasil, o principal ausente na lista dos dez países que mais deverão crescer em 2011, depara-se, nos dias de hoje, com uma elevada taxa de inflação, que já chegou aos 5,9%, o valor mais alto dos últimos cinco anos. Destaco, também, a previsão do crescimento de cerca de 8% da economia de Timor-Leste, em 2011. Timor-Leste, como ex-colónia portuguesa e país “amigo”, poderá desenvolver as parcerias económicas que tem com Portugal, no sentido de atenuar a situação difícil que a economia portuguesa atravessa.

João Aragão nº15 10ºD

Mark disse...

Como podemos ver pela noticía os países que mais vão crescer são o Qatar, o Gana e a Mongólia, países estes que como sabemos são países em desenvolvimento. O caso do Qatar deve-se principalmente ao petróleo como disse o Pedro. Não acho que seja muito surpreendente que estes países tenham empurrado a China para o sexto lugar. A China é um país muito grande com uma economia muito grande, logo tal como explicou o Pedro é fácil que os outros países tenham um crecimento em termos percentuais maior que o da China pois basta terem um crecimento acentuado. Infelizmente, mas como já era esperado Portugal encontra-se no top 3 dos países que menos deverão crescer, tendo uma previsão de recessão de mais de 1%. Acho que a ideia do Pedro é boa, devíamos desenvolver relações com alguns países africanos. Também concordo plenamente com João, acho que a intervenção do FMI seria muito importante, pois pelos vistos o nosso governo não está conseguir resolver os problemas. A Espanha, ao contrário dos outros “PIIGS” , não apresenta sinais de recessão, sendo o mais bem cotado dos dez que menos deverão crescer, mas é claro que deve ter muito cuidado principalmente estando ao lado de um país como Portugal.

Anónimo disse...

Eu acho que esta notícia já era esperada, porque como sabemos Portugal a nível economico ( e não só ) está desorganizado. Isto acontece porque por vezes o dinheiro que Portugal tem não é utilizado da melhor forma, ou simplesmente não é utilizado e segue outros contornos.
É normal que os países sub-desenvolvidos tenham este crescimento bastante grande pois ainda tem um longo percurso para fazer.
Por outro lado temos os países que menos crescem, que são a Grécia, que como sabemos está a viver uma crise e já pediu ajuda ao FMI ( Fundo Monetário Europeu), Porto Rico, e Portugal que na minha opinião devia recorrer ao FMI. Acho que ao recorrer ao FMI alguns dos gastos que os país tem que são excessivos e que podiam ser "cortados". O FMI ia ajudar a recompor a nossa economia, e provávelmente se conseguissemos aproveitar da melhor forma esta ajuda, até podiamos daqui a alguns anos ser um país que emerga.
Ines Moura nº13

Tiago Oliveira disse...

Já tinha sido comentado, há poucos dias pelo nosso ministro das finanças Teixeira dos Santos, que Portugal iria assistir a mais uma recessão em 2011, o que já era de esperar. Portugal é um país com uma "reputação" extremamente baixa actualmente, e a verdade é que, apesar das más decisões e apostas políticas e ainda por vezes essas não serem executadas e expostas na altura certa, o povo português poderia produzir mais, podendo assim os produtos nacionais terem um preço mais competitivo, gerando assim riqueza. Esses são apenas 2 focos que originaram e continuam a originar a crise que todos atravessamos nos dias de hoje.
Basta reparar na sigla PIIGS, que directamente tira bastante "rank" ao nosso país. Portugal tem que apresentar soluções rapidamente de modo a sair rapidamente destas recessões e tirar o pais da "pobreza" presenciada hoje em dia

Tiago Oliveira N24 10D

afonso disse...

O “The Economist” prevê uma retracção de 1% para Portugal em 2011, ocupando o 3º pior pais da lista, tendo apenas Grécia e Porto Rico com situações piores que a de Portugal, na minha opinião recorrer ao FMI é uma questão que começa a ganhar grande importância e com extrema necessidade de ser debatida, pois somos hoje confrontados com o facto de Portugal constar nos piores lugares de grande parte dos indicadores, mantendo-se apenas nos 1º’s lugares no que menos nos podemos orgulhar, apesar de todos estes dados é membro da U.E., e como tal, temos a oportunidade de recorrer ao FMI Fundo Monetário Internacional, oportunidade essa que países como a Argentina e a Venezuela não têm.
Portugal está agora a pagar muitos dos erros cometidos no passado devido à incompetência de decisões outrora tomadas, tendo agora repercussões bem maiores com a grande desconfiança dos mercados externos. Sendo integrante em múltiplas designações, tais como os “PIGS” (Portugal, Irlanda, Grécia e Espanha) e os “STUPIDS” (Espanha, Turquia, Inglaterra, Portugal, Itália e Dubai), como tal a falta de confiança por parte dos mercados externos é justificável, pois para além de todas essas designações Portugal ainda se encontra no “top 5” dos países mais arriscados do mundo tendo como companheiros países como a Venezuela e Argentina cuja evolução foi dificultada devido ao facto de terem sido colónias.
Afonso Pedroso Nº1

Afonso limão disse...

Esta noticia revela que Portugal se junta á Grécia, Irlanda, venuzuela e Argentina num conjunto de paises em que o PIB não cresce, ou seja contraem-se em 1%, verifica-se portanto uma situação de grandes dificuldades para Portugal.Nota-se também que os paises emergentes como o Gana, a Mongólia e o Qatar estão a crescer 10% e empurram a poderosa China para o sexto lugar dos paises que mais deverão crescer.




Afonso Limão Nº2 10ºD